Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 00h34.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança

Notícia da edição impressa de 12/04/2017. Alterada em 11/04 às 21h03min

Operação zera vistorias de PPCI em Porto Alegre

Dados da força-tarefa do Corpo de Bombeiros foram apresentados ontem

Dados da força-tarefa do Corpo de Bombeiros foram apresentados ontem


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Isabella Sander
Diante da reclamação dos empresários da Capital pela demora para a obtenção do alvará de Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI), o Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul promoveu, na semana passada, a Operação Contagem Regressiva, cujos resultados foram apresentados ontem. A ação consistiu no deslocamento de equipes do Interior para Porto Alegre, a fim de zerar a demanda por vistorias no município. Somando os prazos para a realização da análise e, posteriormente, da vistoria, o alvará leva mais de um ano para ser expedido.
No total, 130 bombeiros e 59 viaturas se dedicaram, de 3 a 7 de abril, exclusivamente às vistorias. Dos 586 locais vistoriados, 381 (65%) tiveram seus alvarás expedidos e 205 (35%) receberam notificação para correções. A ideia inicial era abranger mil empreendimentos com vistorias agendadas, mas, segundo o comandante dos bombeiros, coronel Adriano Krukoski, 414 alegaram esperar que a visita demorasse mais tempo para ocorrer e, por isso, não estavam prontos. "Temos um prazo de 90 dias para que a vistoria ocorra, então muitos locais, por saberem que o processo costuma ser lento, deixam para fazer as correções mais tarde", explica.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia