Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 30 de abril de 2017. Atualizado às 15h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 30/04 às 16h00min

Investidores europeus reduzem temor com eleição francesa e voltam às compras

Os investidores decidiram não esperar mais a conclusão da eleição francesa para voltar a colocar dinheiro na Europa. Eles já estão voltando ao mercado, apostando que a região finalmente se desvencilhou dos temores de turbulência política. Os mercados bolsistas locais tiveram sua melhor semana este ano após a primeira rodada da votação presidencial francesa e investidores aplicaram recursos em fundos de ações da região no maior ritmo desde 2015. O euro subiu 1,6% em relação ao dólar, em sua melhor semana desde julho do ano passado.
Todo esse movimento acontece à medida que os investidores começam a olhar para além dos riscos políticos e se concentram na recuperação econômica do continente. "As pessoas estão começando a deixar de lado os riscos políticos europeus", disse o gerente de portfólio da Janus Capital, George Maris. A economia e os números a respeito dos lucros estão se tornando mais evidentes agora na Europa, acrescentou.
Os mercados de capitais europeus já estão refletindo grande parte desse otimismo, apesar dos acontecimentos políticos ainda por ocorrer e que antes envolviam os investidores - principalmente a votação final das eleições presidenciais e as votações na Itália e na Alemanha.
O índice DAX da Alemanha alcançou um recorde nesta semana que se seguiu à votação na França, enquanto o índice Euro Stoxx 50 das ações da zona euro subiu 3,5%, com avanços na Europa liderados pelo setor bancário. Em termos de dólar, o índice Euro Stoxx 50 subiu quase 12% este ano, quase o dobro dos ganhos do S&P 500.
Os fundos de ações europeus registraram seus maiores fluxos desde dezembro de 2015, com entradas de US$ 2,4 bilhões na semana até 26 de abril, segundo dados da EPFR Global.
Os mercados da zona do euro subiram desde o primeiro turno das eleições presidenciais francesas, em 23 de abril, quando o centrista Emmanuel Macron ganhou mais votos do que a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen, que prometeu tirar a França do euro, e de Jean-Luc Mélenchon, candidato de esquerda antiglobalização. Macron é visto agora como o favorito no segundo turno, em 7 de maio, quando enfrentará Le Pen.
Uma sólida vitória eleitoral para o establishment político holandês em março também acalmou os temores de uma queda no continente em direção ao nacionalismo que pesou sobre os preços dos ativos até o final deste ano.
Em vez de política, os investidores estão se concentrando em desempenho da economia e das empresas. Ao contrário dos anos anteriores, os analistas continuaram a aumentar suas projeções para o crescimento anual do lucro por ação na zona do euro, de acordo com J.P. Morgan. Os ganhos do primeiro trimestre no Stoxx Europe 600 deverão aumentar 5,5% em relação ao primeiro trimestre de 2016, de acordo com dados da Thomson Reuters.
Os investidores apontam para bons sinais da economia. A confiança das empresas e os indicadores de atividade nos setores de fabricação e serviços da zona do euro subiram para máximos em seis anos em abril, apesar da incerteza antes do voto francês. "O crescimento europeu é o melhor desde a crise financeira global", disse Robert Waldner, estrategista-chefe da Invesco Fixed Income. "A combinação de condições financeiras favoráveis e uma economia sólida deve impulsionar os mercados de ações e de crédito na região".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia