Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de abril de 2017. Atualizado às 17h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 27/04 às 17h06min

Petróleo fecha em queda após reabertura de campos de produção da Líbia

O petróleo fechou em baixa, em meio a preocupações com o excesso de oferta e dúvidas com a posição da Rússia em relação ao esforço para reduzir a produção. Além disso, a volta à operação de dois campos da Líbia fez os contratos acentuarem as perdas.
O petróleo WTI para entrega em junho fechou em queda de 1,31%, a US$ 48,97 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para julho recuou 1,13%, a US$ 51,82 o barril, na plataforma ICE.
O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Mohammad Barkindo, afirmou que o equilíbrio do mercado está em curso. O cartel acredita que isso deve ocorrer até o fim deste ano, porém investidores mostram-se mais cautelosos. Preocupações com o excesso de oferta têm pressionado os contratos. Especula-se ainda sobre se Moscou prorrogará ou não o esforço para reduzir sua produção, a fim de apoiar os preços.
Uma notícia vinda da Líbia também afetou o humor nesta quinta-feira. Dois campos petrolíferos importantes da Líbia voltaram a produzir, segundo o país, o que deve elevar as exportações em um mercado já saturado.
Além disso, Irã e Iraque planejam aumentar suas capacidades de produção de petróleo, segundo executivos dos dois países, em mais uma notícia negativa para os preços do barril. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia