Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de abril de 2017. Atualizado às 23h34.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Notícia da edição impressa de 27/04/2017. Alterada em 26/04 às 20h44min

Comitivas defendem Polo Naval

Está marcada para a próxima terça-feira, às 15h, em Brasília, audiência de comitiva gaúcha com o presidente da República, Michel Temer. O tema do encontro será a situação do polo naval no Rio Grande do Sul.
"Uma vez que o governador do Estado não recebeu os representantes do setor, conforme pedido encaminhado pela Frente (Parlamentar em Defesa do Polo Naval de Rio Grande), o presidente Temer vai nos ouvir", afirma o deputado estadual e presidente da frente, Nelsinho Metalúrgico. A comitiva deverá ser formada pelo prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer, da prefeita de São José do Norte, Fabiane Zogbi, sindicalistas e outros deputados.
Neste fim de semana, outro ato em defesa do Polo Naval de Rio Grande será realizado com a participação dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, além dos ex-governadores Olívio Dutra e Tarso Genro, entre outros. Também estarão envolvidos na mobilização o prefeito do Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer, e a Frente Brasil Popular. Segundo a CUT, a manifestação no sábado (29) se inicia às 14h, no largo da prefeitura de Rio Grande, deverá reunir caravanas de vários municípios e totalizar milhares de pessoas.
Entre as pautas estão a valorização do conteúdo local e a perda de direitos trabalhistas e previdenciários. O prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer, argumentou que o Polo Naval garantiu um crescimento de 12% ao ano na região, quadruplicou a arrecadação e duplicou a renda. Ele lembrou que, para cada emprego direto, foram gerados de quatro a cinco indiretos na cadeia produtiva. "É inadmissível abandonar estruturas prontas, ativos consolidados, equipamentos de última geração e mão de obra qualificada. O Brasil pode mais do que exportar commodities, pode ter uma política industrial própria", defendeu.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia