Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de abril de 2017. Atualizado às 15h00.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

25/04/2017 - 15h01min. Alterada em 25/04 às 15h01min

Bolsas da Europa sobem, ainda com otimismo após disputa eleitoral na França

Os mercados acionários da Europa fecharam em alta nesta terça-feira (25) ainda em um quadro de otimismo após os resultados do primeiro turno eleitoral na França. A percepção de que o centrista Emmanuel Macron é franco favorito continuou a beneficiar o apetite por risco nas bolsas do continente, embora com menos força que no pregão anterior.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou com ganho de 0,21% (0,82 pontos), em 386,91 pontos.
Em um dia de agenda de indicadores esvaziada, o otimismo com o resultado na França ainda reverberou. Macron enfrentará no segundo turno Marine Le Pen, de extrema-direita, mas o centrista aparece nas pesquisas como amplamente favorito. Além disso, várias instituições financeiras apresentaram desempenho positivo nas bolsas. Há ainda expectativa nos mercados pela divulgação de detalhes do projeto tributário do governo de Donald Trump nos Estados Unidos, que poderia impulsionar o crescimento no país e beneficiar também outras economias.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,15%, em 7.275,64 pontos. Os papéis do setor farmacêutico estiveram entre os destaques, ajudados por ganhos da Novartis após esta divulgar balanço. Hikma Pharmaceuticals subiu 3,4% e Shire teve alta de 1,4%. Entre as mineradoras, Glencore subiu 2,19%, mas Anglo American recuou 0,53%. No setor bancário, Barclays subiu 1,64%, HSBC avançou 0,66% e Lloyds, 1,07%.
Em Frankfurt, o índice DAX fechou com ganho de 0,10%, em 12.467,04 pontos. Entre os destaques, Thyssenkrupp subiu 2,7%, após o Credit Suisse elevar o preço-alvo para a ação.
Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 avançou 0,17%, para 5.277,88 pontos. Entre os bancos, Crédit Agricole subiu 0,15% e Société Générale avançou 0,12%. A petroleira Total ficou estável, enquanto Solocal Group se destacou, em alta de 4,16%. O papel da LVMH Moet Hennessy subiu 3,94%, após a informação de que o grupo assumirá o controle total da Christian Dior.
Em Milão, o FTSE-MIB teve alta de 0,59%, a 20.805,52 pontos. No setor bancário italiano, Intesa Sanpaolo, Banco BPM e UniCredit subiram 2%, 3,03% e 2,46%, respectivamente. Fiat, por outro lado, teve baixa de 0,10% e a petroleira ENI recuou 0,41%. Telecom Italia subiu 2,04%.
Na bolsa de Madri, o índice IBEX-35 subiu 0,15%, a 10.783,10 pontos. Entre as mais negociadas, Santander subiu 0,67% e Banco Popular Español avançou 1,89%. No setor de energia Iberdrola caiu 1,73%, mas Repsol terminou em +0,68%. ArcelorMittal teve alta de 0,64%.
Em Lisboa, o índice PSI-20 avançou 0,97%, para 5.046,16 pontos. Banco Comercial Português teve alta forte, de 4,19%, e Galp Energia avançou 0,84%. Sonae subiu 1,20%, enquanto Jerônimo Martins teve ganho de 0,88%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia