Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de abril de 2017. Atualizado às 10h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

20/04/2017 - 09h39min. Alterada em 20/04 às 10h34min

IPCA-15 fica em 0,21% em abril, ante 0,15% em março, afirma IBGE

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,21% em abril, após subir 0,15% em março, revelou nesta quinta-feira (20), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro, que esperavam inflação entre 0,16% e 0,35%, com mediana de 0,27%.
A alta em abril foi a menor para o mês desde 2006, quando havia ficado em 0,17%, informou o IBGE. A taxa acumulada em 12 meses diminuiu de 4,73% em março para 4,41% em abril, a mais baixa desde janeiro de 2010, quando o resultado ficou em 4,31%. Em abril de 2016, a taxa do IPCA-15 foi de 0,51%.
Com o resultado anunciado nesta quinta-feira, o IPCA-15 acumula aumento de 1,22% no ano. A taxa acumulada em 12 meses até abril foi de 4,41%, de acordo com o IBGE.
Quatro entre nove grupos tiveram taxas de variação maiores no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) de abril.
Os aumentos foram registrados em Alimentação e bebidas (de -0,08% em março para 0,31% em abril); Vestuário (de -0,02% para 0,44%), Saúde e Cuidados pessoais (de 0,48% para 0,91%) e Comunicação (de -0,31% para 0,18%).
As taxas menores foram vistas em Artigos de residência (de -0,30% para -0,43%); Transportes (de -0,16% para -0,44%); Despesas pessoais (de 0,30% para 0,23%); Educação (de 0,87% para 0,14%) e Habitação (de 0,64% para 0,39%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia