Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de abril de 2017. Atualizado às 23h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 19/04/2017. Alterada em 18/04 às 23h46min

País precisa de políticos, e não de gestores, diz Setubal

O presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, afirmou, em evento do banco, ontem, em São Paulo, que a política brasileira precisa é de bons políticos, em vez de bons gestores. Questionado sobre a perda de credibilidade que sofreu a classe política nos últimos anos, após as revelações da Operação Lava Jato, e como esse fenômeno pode atrair empresários para a vida pública, Setubal respondeu com ceticismo. "Eu não tenho nenhuma pretensão, pelo contrário. Acho que posso contribuir muito para o Brasil na iniciativa privada", disse o banqueiro.
Ele reconheceu que há maior espaço para a entrada de empresários na política, mas ponderou que "política é para políticos". "Acho bom, porque traz uma forma diferente de ver e fazer política. Mas a gente precisa de bons políticos, porque a interação com a sociedade e com o Congresso é uma atividade política, essencialmente", disse. Ele não chegou a fazer menção ao prefeito de São Paulo, João Doria, mas usou as palavras do bordão de "bom gestor" com que Doria se elegeu. Para Setubal, "não dá para imaginar que você vai colocar lá um gestor competente e que ele vai resolver o problema do Brasil, não funciona bem assim".
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia