Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de abril de 2017. Atualizado às 18h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Alterada em 18/04 às 19h02min

Falta de quórum adia votação do salário mínimo regional gaúcho

Previsão é de que o projeto seja votado na próxima terça-feira

Previsão é de que o projeto seja votado na próxima terça-feira


VINICIUS REIS/AGÊNCIA ALRS/DIVULGAÇÃO/JC
Não foi dessa vez que a Assembleia Legislativa votou o projeto de lei (PL 9 2017) do governo gaúcho que reajusta em 6,48% o salário mínimo regional nas cinco faixas existentes. Por falta de quórum, a sessão foi adiada para a próxima terça-feira (25). O novo piso deveria estar em vigor desde 1 de fevereiro e será pago retroativamente após ser sancionado.
O projeto eleva a menor faixa salarial do piso de R$ 1.103,66 para R$ 1.175,15, já a maior passaria de R$ 1.398,65 a R$ 1.489,24. Antes da sessão ser adiada, os deputados Tarcísio Zimmermann (PT), Nelsinho Metalúrgico (PT), Enio Bacci (PDT), Elton Weber (PSB) e Jeferson Fernandes (PT), ressaltaram a importância do piso aos gaúchos, mas criticaram o governo pelo ajuste dos salários abaixo da inflação.
Eles defenderam a aprovação de emenda de autoria dos deputados Elton Weber (PSB), Álvaro Boésio (PMDB) e Stela Farias (PT) que pretende elevar os valores iniciais previstos pelo governo em cerca de R$ 18 a cada categoria, atendendo a reivindicações das centrais sindicais. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia