Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de abril de 2017. Atualizado às 08h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Cobre opera em baixa, acompanhando queda nos preços do minério de ferro

Os preços do cobre caíram nesta terça-feira (18), com a queda nos preços do minério de ferro superando os dados positivos da China e levando os preços do cobre para baixo.

Por volta das 7h15min (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) caía 0,40%, a US$ 5.658,00 por tonelada. Já na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre para maio tinha queda de 1,54%, a US$ 2,5560 por libra-peso, às 8h03 (de Brasília).

Os ganhos do cobre foram apagados durante a abertura dos negócios em Londres, refletindo uma baixa nos preços do minério de ferro, que caíram 6,5% desde que a Bolsa de Metais de Londres fechou antes do feriado prolongado de Páscoa, de acordo com Matt France, da Marex Spectron.

Nos últimos dias, os preços de futuros de aço e de minério de ferro caíram, pressionados por uma combinação da forte produção e da demanda em queda por parte da China. Os preços do minério de ferro perderam mais de um terço de seu valor em relação à alta de quatro anos de março, com o aço recuando mais de 20%.

Segundo o Commerzbank, as perdas para o cobre vieram apesar de dados positivos da economia chinesa. O Produto Interno Bruto (PIB) chinês cresceu 6,9% no primeiro trimestre de 2017 em relação a igual período do ano passado, segundo números oficiais. O dado superou a expectativa de alta de 6,8% dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. A China é o maior consumidor de cobre do mundo e, por isso, os indicadores econômicos do país tendem a influenciar a cotação do metal.

Segundo France, da Marex Spectron, se os dados do PIB chinês tiveram pouco impacto duradouro sobre os preços do cobre, os terremotos no Chile durante o fim de semana proporcionaram um impulso similarmente curto para o metal.

Entre outros metais básicos negociados na LME, os resultados eram mistos. Por volta das 7h15min, o alumínio subia 0,70%, a US$ 1.932,00 por tonelada; o estanho avançava 0,87%, para US$ 19.800,00 por tonelada. Já o zinco caía 1,11%, para US$ 2.593,00 por tonelada; o chumbo recuava 1,45%, a US$ 2,207,50 por tonelada; e o níquel baixava 1,13%, para US$ 9.595,00 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia