Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de abril de 2017. Atualizado às 08h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 17/04 às 08h07min

Bolsas da Ásia fecham majoritariamente em baixa, apesar de bons dados chineses

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta segunda-feira (17), em meio a temores de que haja um endurecimento de medidas contra negócios especulativos na China e a continuidade de tensões geopolíticas na região das Coreias, que acabaram deixando sinais positivos da economia chinesa em segundo plano.
O Xangai Composto recuou 0,74%, a 3.222,17 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto teve queda de 1,41%, a 1.958,55 pontos. O mau humor nos mercados chineses veio após o principal regulador de valores mobiliários do país, Liu Shiyu, apelar às bolsas domésticas que fortaleçam sua regulação e punam eventuais violações com severidade.
"Os comentários de Liu ampliaram a pressão psicológica no mercado (chinês), que vem operando dentro de uma margem estreita", avaliou Shen Meng, diretor da firma de investimentos Chanson & Co.
Quase 120 ações atingiram hoje o limite diário de desvalorização de 10% em Xangai e Shenzhen.
Preocupações de que autoridades em Pequim reforcem o combate à especulação se sobrepuseram a bons indicadores econômicos da China. No primeiro trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) do gigante asiático teve expansão anual de 6,9%, um pouco maior do que o ganho de 6,8% esperado por analistas e seu melhor resultado desde o terceiro trimestre de 2015.
Além disso, números chineses de março sobre produção industrial, vendas no varejo e investimentos em ativos fixos também superaram as expectativas.
Em outras partes da Ásia, o índice sul-coreano Kospi subiu 0,51% em Seul, a 2.145,76 pontos, antes de ser noticiado que a ex-presidente Park Geun-hye foi indiciada pelo escândalo de corrupção que recentemente a tirou do poder, mas o Taiex mostrou leve baixa de 0,17% em Taiwan, a 9.716,40 pontos, e o filipino PSEi recuou 0,54% em Manila, a 7.588,53 pontos.
No Japão, o índice Nikkei teve alta marginal de 0,11%, a 18.355,26 pontos, interrompendo quatro pregões negativos, graças ao bom desempenho de ações chamadas "defensivas", que dependem da demanda no Japão.
No fim de semana, cresceram temores sobre um eventual conflito entre EUA e Coreia do Norte. No sábado, o governo norte-coreano exibiu um míssil balístico de longo alcance, entre outros equipamentos militares, durante comemorações pelo aniversário de nascimento do fundador do país, Kim Il Sung. Ontem, a Coreia do Norte realizou um teste fracassado com míssil, levando autoridades dos EUA a declarar que Pyongyang não pode continuar com esse comportamento de provocação.
Em Hong Kong e na Austrália, as bolsas não operaram devido ao feriado de Páscoa, motivo que também mantém os grandes mercados europeus fechados nesta segunda.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia