Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 13h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria farmacêutica

Alterada em 12/04 às 13h26min

Governo agiliza exame de patentes e entrada de genéricos no mercado

Enquanto a patente está vigente, não é possível lançar medicamentos genéricos

Enquanto a patente está vigente, não é possível lançar medicamentos genéricos


PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA HARTZ/DIVULGAÇÃO/CIDADES
Agência Brasil
O exame de patentes de medicamentos e a chegada de novos genéricos ao mercado serão agilizados com a assinatura de acordo entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). A avaliação é dos presidentes da Anvisa, Jarbas Barbosa, e do Inpi, Luiz Otávio Pimentel.
Hoje (12), no Palácio do Planalto, em Brasília, foi assinada uma portaria conjunta que põe fim ao impasse de 16 anos entre os dois órgãos na área de produtos e processos farmacêuticos. A medida envolve mais de 20 mil pedidos de patente.
Com a nova regra, a Anvisa fica responsável pela análise dos pedidos com foco no impacto à saúde pública, enquanto o Inpi será responsável pelos critérios de patenteabilidade.
De acordo com Barbosa, a medida ajudar a ampliar o lançamento de produtos genéricos por conta da análise mais rápida. Isso porque o impasse entre os órgãos fazia com que a patente ficasse vigente por prazo superior ao previsto de 10 anos.
Enquanto a patente está vigente, não é possível lançar medicamentos genéricos. "Dá previsibilidade e o tempo da patente só vai ser o previsto na lei, não vai ter essa extensão indevida", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia