Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 08h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Com riscos geopolíticos no radar, maioria das bolsas asiáticas fecha em baixa

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta quarta-feira (12), ainda influenciadas por riscos geopolíticos ligados à Coreia do Norte e à Síria.

Em Tóquio, o índice Nikkei caiu 1,04% hoje, a 18.552,61 pontos, o menor nível em quatro meses, diante do fortalecimento do iene, que chegou a atingir máxima em cinco meses frente ao dólar durante a madrugada. A moeda do Japão costuma atrair maior demanda em momentos de incerteza.

As tensões geopolíticas se ampliaram após a Coreia do Norte sugerir ontem, por meio de sua mídia estatal, que pode lançar um ataque nuclear contra alvos dos EUA. Desde o fim de semana, Washington vem deslocando um porta-aviões em direção à Península Coreana.

No Twitter, o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou ontem que a Coreia do Norte "está procurando encrenca" e reiterou que Washington irá agir unilateralmente contra o regime de Pyongyang se a China, tradicional aliada dos norte-coreanos, não ajudar a "solucionar o problema".

Após o tuíte de Trump, o presidente chinês, Xi Jinping, disse em conversa telefônica com o republicano que Pequim deseja solucionar a questão da Coreia do Norte de forma pacífica.

Entre os mercados chineses, o Xangai Composto terminou a sessão com queda de 0,46%, a 3.273,83 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,76%, a 2.007,00 pontos. Pesaram também nos mercados da China rumores de que fundos apoiados pelo governo estariam vendendo ações relacionadas à futura zona econômica de Xiongan.

Já dados oficiais publicados no fim da noite de ontem da noite mostraram que a inflação anual ao consumidor chinês avançou para 0,9% em março, de 0,8% em fevereiro, mas ficou abaixo da expectativa de analistas, que previam taxa de 1%.

Outro fator que desestimula a compra de ações na Ásia tem a ver com o Oriente Médio. Ontem, a Casa Branca acusou a Rússia de tentar acobertar o ataque com armas químicas lançado na Síria na semana passada. Dias após o ataque químico, que é atribuído ao regime do presidente Bashar al-Assad, os EUA bombardearam uma base área síria.

Em outras partes da região asiática, o Taiex caiu 0,51% na bolsa taiwanesa, a 9.832,42 pontos, e o filipino PSEi recuou 0,22% em Manila, a 7.601,40 pontos, mas o Hang Seng se recuperou nas últimas horas de negócios e subiu 0,93%, a 24.313,50 pontos, interrompendo uma sequência de quatro pregões de perdas, e o índice sul-coreano Kospi garantiu alta moderada de 0,24% em Seul, a 2.128,91 pontos, apesar das preocupações com a vizinha Coreia do Norte.

Na Oceania, a bolsa australiana foi novamente impulsionada por ações de grandes bancos do país, e o índice S&P/ASX 200 avançou 0,1%, a 5.934,00 pontos, renovando o maior nível desde abril de 2015.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia