Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de abril de 2017. Atualizado às 12h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Alterada em 11/04 às 12h34min

Ministério do Trabalho bloqueia R$ 808 mil em pedidos fraudados de seguro-desemprego no Estado

Sistema identificou 142 pedidos fraudados no Rio Grande do Sul até esta segunda-feira

Sistema identificou 142 pedidos fraudados no Rio Grande do Sul até esta segunda-feira


CLAITON DORNELLES/JC
O sistema de combate a fraudes no seguro-desemprego implantado pelo Ministério do Trabalho no final de dezembro identificou 142 pedidos fraudados no Rio Grande do Sul até esta segunda-feira (10), num total de R$ 808.938 bloqueados. São Paulo, que concentra a maior população do país, lidera o ranking, com 5.257 pedidos, seguido do Maranhão, com 3.733 casos.
De acordo com o Ministério, as fraudes comprovadas serão repassadas à Polícia Federal. O trabalhador que tiver o seguro-desemprego bloqueado será comunicado e deverá procurar a pasta, já que existem casos em que o próprio trabalhador não sabe que seus dados foram utilizados por fraudadores.
O sistema que detectou as fraudes permite acompanhar todo o processo entre o pedido do benefício e o pagamento feito pela Caixa. Segundo o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, a plataforma vai permitir uma economia estimada em até R$ 1,25 bilhão aos cofres públicos em 2017. A base para o rastreamento é o CPF do trabalhador, o que também ajudará a reduzir problemas de duplicidade de matrícula no Programa de Inclusão Social (PIS).
A partir de 2018, a ferramenta deve possibilitar, ainda, que o trabalhador demitido sem justa causa tenha acesso ao seguro-desemprego sem precisar comparecer às agências do Ministério do Trabalho. O empregador informará a demissão sem justa causa por meio do Caged, que passará a ser diário. A partir daí, a ferramenta analisará se esse empregado preenche os requisitos do seguro-desemprego. Em caso positivo, o trabalhador receberá informações via SMS, email e telefone sobre o andamento do processo de acesso ao benefício, até o momento do saque.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia