Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de abril de 2017. Atualizado às 16h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 10/04 às 16h18min

Ouro fecha em baixa em Nova Iorque, de olho no Fed e com menor tensão geopolítica

O ouro fechou em baixa nesta segunda-feira (10) com investidores reduzindo seus temores relativos à tensão geopolítica e se concentrando em declarações favoráveis a um aperto monetário de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).
O ouro para entrega em junho fechou em queda de US$ 3,40 (0,27%), a US$ 1.253,90 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
O preço do metal subiu na sexta-feira, após os EUA lançarem um ataque aéreo contra uma base aérea síria, em retaliação a um aparente ataque com armas químicas do governo sírio contra civis. Operadores reduziram esse movimento de busca por segurança nesta segunda-feira, o que sugere que o mercado se inclina para a avaliação de que o ataque militar foi pontual, não um sinal de um maior envolvimento americano na Síria.
Muitos no mercado voltaram sua atenção para um discurso da presidente do Fed, Janet Yellen, que ocorre hoje depois do fechamento do ouro. Na sexta-feira, o presidente do Fed de Nova York, William Dudley, sugeriu que o BC americano não deve adotar uma longa pausa na elevação dos juros, enquanto considera como reduzir seu balanço mais adiante. A expectativa de juros maiores tende a pressionar o ouro, que luta para competir com ativos que pagam retorno quando os juros sobem.
Por outro lado, analistas dizem que o quadro relativo aos EUA, à Coreia do Norte e às eleições francesas deve impedir que os preços caiam muito.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia