Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de abril de 2017. Atualizado às 15h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 10/04 às 15h46min

Bolsas da Europa fecham em queda, em jornada negativa de vários bancos

As bolsas europeias fecharam em queda nesta segunda-feira, 10, mas em alguns casos perto da estabilidade. A eleição presidencial na França esteve no radar, conforme se aproxima a disputa no primeiro turno, bem como o quadro geopolítico após o ataque aéreo dos Estados Unidos na Síria. A jornada foi ainda em geral negativa para vários bancos, em dia ruim para o Banco Popular Español.
Mesmo com a queda nas principais bolsas, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,04% (0,17 pontos), perto da estabilidade, em 381,43 pontos.
O primeiro turno presidencial francês ocorre em 23 de abril. As pesquisas mostram uma disputa entre a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen, e o centrista Emmanuel Macron como a mais provável no segundo turno, que ocorre em 7 de maio. Nos últimos dias, porém, o esquerdista Jean-Luc Mélenchon sobe nas pesquisas e especula-se se ele poderia tomar o lugar de Macron na reta final, o que deixaria o cenário ainda mais polarizado. Le Pen ameaça tirar a França da zona do euro e Mélenchon é crítico sobre o bloco. Corre ainda por fora o candidato François Fillon, outrora favorito, mas que perdeu espaço depois de que surgiram denúncias de que teria quando deputado supostamente dado empregos fantasmas para a mulher e dois filhos. A Justiça francesa apura o caso.
A situação entre os EUA e a Síria também seguiu no radar. O risco geopolítico impulsionou o petróleo, o que beneficiou empresas do setor. Além disso, entre as corporações esteve em foco o Banco Popular Español, que anunciou que buscará um segundo aumento de capital, após levantar 2,5 bilhões de euros no ano passado.
Na bblsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 0,01%, em 7.348,94 pontos. Entre os bancos, Lloyds subiu 0,05% e Barclays avançou 0,42%. Entre as mineradoras, por outro lado, Glencore caiu 0,76%, Antofagasta teve baixa de 2,07% e Anglo American, de 0,08%. A petroleira BP teve baixa de 0,16%.
Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,20%, para 12.200,52 pontos. No setor de energia, E.ON teve baixa de 0,35%. Basf caiu 0,51% e Bayer teve queda de 0,79%. Commerzbank caiu 0,45% e Deutsche Bank subiu 0,13%, entre os bancos.
Na Bolsa de Paris, o CAC-40 teve baixa de 0,54%, a 5.107,45 pontos. Crédit Agricole caiu 1,47% e Société Générale teve queda de 1,42%. Carrefour, por outro lado, subiu 0,45% e Air France avançou 4,03%.
O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, fechou em queda de 0,48%, em 20.202,05 pontos. Entre os bancos italianos, Intesa Sanpaolo caiu 0,55%, Banco BPM teve baixa de 0,67% e UniCredit recuou 1,28%.
Na bolsa de Madri, o índice IBEX-35 caiu 0,87%, para 10.437,70 pontos. Banco Popular Español teve queda forte, de 9,61%, Santander recuou 1,68% e CaixaBank teve baixa de 3,01%. No setor de energia, Repsol caiu 0,37%. Urbas Grupo Financiero, por outro lado, teve alta de 5,56%.
Em Lisboa, o índice PSI-20 recuou 0,34%, a 4.963,80 pontos. Banco Comercial Português caiu 0,33% e Jerónimo Martins teve baixa de 0,56%, enquanto Galp Energia subiu 0,34%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia