Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de abril de 2017. Atualizado às 13h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 10/04 às 13h13min

Otimismo do empresário volta a cair no 1º trimestre, mostra pesquisa

Depois de apresentar melhora no final do ano passado, o otimismo do empresário brasileiro voltou a cair no primeiro trimestre deste ano, segundo levantamento realizado pela consultoria Grant Thornton. Com a piora, o Brasil perdeu quatro posições no ranking global, indo da 11ª colocação para a 15ª, atrás de nações como Indonésia, Filipinas e Índia.
O otimismo chegou a 50% no 1º trimestre de 2017, queda de 9 pontos porcentuais em relação ao trimestre imediatamente anterior, de acordo com o estudo International Business Report (IBR), realizado pela Grant Thornton e enviado com exclusividade ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.
O levantamento mostra ainda que essa retração ocorreu na esteira da queda das expectativas de rentabilidade, que caiu 15 pontos porcentuais na mesma base de comparação, para 35%. A expectativa em relação ao emprego recuou 4 pontos, para 25%. Sobre as receitas, as perspectivas cederam 3 pontos, para 61%.
"Podemos considerar que a incerteza institucional resulta da necessidade do governo precisar fazer andar a reforma da Previdência e dar continuidade ao ajuste fiscal para estabilizar a dívida pública, com foco no controle de despesas, podendo ser insuficiente implementar as reformas necessárias frente a um cenário político mais adverso", destaca Daniel Maranhão, sócio líder da área de consultoria e auditoria da Grant Thornton.
Segundo Maranhão, a não continuidade da melhora do otimismo mostra a preocupação em relação às incertezas para a aprovação das reformas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia