Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de abril de 2017. Atualizado às 08h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

07/04/2017 - 08h52min. Alterada em 07/04 às 08h52min

Após ataque dos EUA na Síria, cobre recua com fuga de investidor

O cobre opera em queda nesta sexta-feira em meio à cautela com a reunião entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente da China, Xi Jinping. Além disso, os investidores estão migrando dos metais básicos para o ouro em busca de segurança, após os EUA dispararem quase 60 mísseis contra a Síria ontem à noite em resposta ao ataque químico que matou cerca de 70 pessoas no começo da semana.
Por volta das 8h (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) recuava 1,06%, a US$ 5.814,00 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre para maio caía 1,11%, a US$ 2,6285 por libra-peso, às 8h30 (de Brasília).
A Casa Branca diz acreditar que o ataque químico havia sido lançado sob o comando do presidente sírio, Bashar al-Assad. O ataque foi a primeira ação dos EUA em atacar deliberadamente o regime de Assad.
Além do ataque aéreo, os investidores seguem cautelosos com o encontro entre os EUA e a China, cujos líderes deverão discutir sobre as relações comerciais. Os dois países são os maiores compradores de cobre do mundo.
Entre os outros metais negociados na LME, o alumínio caía 0,36%, a US$ 1.946,00 a tonelada métrica, o chumbo recuava 2,34%, a US$ 2.249,00 a tonelada métrica, o níquel perdia 1,24%, para US$ 9.990,00 a tonelada métrica, o estanho recuava 0,64%, a US$ 20.210,00 a tonelada métrica e o zinco desvalorizava 1,32%, a US$ 2.697,50 por tonelada métrica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia