Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 20h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Alterada em 06/04 às 20h31min

Mercosul e Aliança do Pacífico buscam aproximação para aumentar comércio

Em busca de mais comércio, os quatro sócios fundadores do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) se reúnem nesta sexta-feira (7), em Buenos Aires com os da Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, Peru e México) para acelerar um processo de aproximação iniciado em 2014. Juntos, esses países possuem um mercado de quase 470 milhões de pessoas, 80% da população da América Latina e Caribe e 90% do Produto Interno Bruto (PIB) e dos fluxos de investimento direto estrangeiro na região.
O Brasil estará representado na reunião pelos ministros das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira.
Em nota, o Itamaraty informou que os ministros discutirão a formação de cadeias regionais de valor, facilitação do comércio, cooperação aduaneira, promoção comercial e apoio a pequenas e médias empresas, entre outros temas. Com exceção do México, o Mercosul tem acordos comerciais com todos os países da Aliança do Pacífico na região. "Esses acordos levarão, até 2019, à formação de uma virtual área de livre comércio na América do Sul "
Também nesta sexta, os chanceleres do Mercosul vão se reunir com o ministro de Relações Exteriores de Cingapura, Vivian Balakrishnan, que em 2018 presidirá a Asean, um bloco de dez países asiáticos, para buscar formas de aumentar o comércio. A Asean forma o terceiro mercado da Ásia, atrás de China e Índia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia