Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 00h09.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 06/04/2017. Alterada em 06/04 às 00h07min

Inflação para as famílias de baixa renda alcança 4,24% em 12 meses, aponta índice da FGV

Em todo o País, o IPC-C1 (Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1), que mede a inflação para famílias com renda até 2,5 salários-mínimos, ficou em 0,56% em março. A taxa é superior ao 0,07% de fevereiro. Segundo a FGV (Fundação Getulio Vargas), o IPC-C1 acumula taxas de 1,18% no ano e 4,24% em 12 meses. A taxa do IPC-C1 em março ficou abaixo do IPC-BR (Índice de Preços ao Consumidor - Brasil), que mede a inflação para todas as faixas de renda e que ficou em 0,47% naquele mês. No acumulado de 12 meses, no entanto, a taxa do IPC-C1 ficou abaixo dos 4,55% do IPC-BR.
O avanço do IPC-C1 entre fevereiro e março foi impulsionado por acréscimos nas taxas de 5 das 8 classes de despesa que compõem o índice, com destaque para alimentação, que passou de uma deflação (queda de preços) de 0,45% para uma inflação de 0,60%; e para habitação, cuja taxa cresceu de 0,27% para 1,22%. Também tiveram alta na taxa do IPC-C1, as classes de despesa saúde e cuidados pessoais (de 0,32% para 0,61%), vestuário (de -0,37% para 0,11%), e despesas diversas (de 0,36% para 1,01%). Três classes de despesa tiveram queda na taxa: transportes (de 0,72% para -0,15%), comunicação (de -0,02% para -1,53%), e educação, leitura e recreação (de 0,67% para -0,19%).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia