Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 17h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

Alterada em 05/04 às 17h38min

Não há pontos 'inegociáveis' na reforma da Previdência, diz Mansueto

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto de Almeida, disse nesta quarta-feira (5) que, em respeito ao Congresso, não há pontos da reforma da Previdência que possam ser classificados como "inegociáveis". Ele, no entanto, citou a fixação da idade mínima de acesso à aposentadoria - 65 anos - como um dos pontos mais importantes da proposta de emenda constitucional encaminhada pelo Executivo ao Congresso.
"Se a reforma for diluída por questões políticas, em dois anos discutiremos de novo as regras de aposentadoria", comentou o secretário durante debate promovido em São Paulo pela revista Istoé Dinheiro. Apesar das dificuldades em passar a matéria no Congresso, o secretário disse confiar na aprovação da proposta ainda neste ano.
Ele assinalou que, sem a reforma, as críticas serão direcionadas ao governo pela necessidade de aumento de imposto.
Também presente no debate, o secretário da Previdência, Marcelo Caetano, comentou que reformar a Previdência é um trabalho complexo em qualquer lugar do mundo, porém necessário para preservar o beneficio previdenciário. "O intuito é manter a Previdência e para isso temos que fazer ajustes", afirmou Caetano, acrescentando que, na prática, a regra de idade mínima converge a aposentadoria no Brasil ao que é comum "mundo afora".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia