Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 14h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 05/04 às 14h23min

Bolsas da Europa fecham sem direção única, com indicadores, França e Trump

As bolsas europeias fecharam sem direção única nesta quarta-feira (5) com diversos assuntos no radar dos investidores. Indicadores da região, eleições presidenciais na França, a ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), e a reunião entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente da China, Xi Jinping, atraíram a atenção dos investidores.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em leve alta de 0,02% (+0,06 pontos), em 380,09 pontos.
Durante a manhã, diversos índices de gerentes de compras (PMIs, na sigla em inglês), referentes ao mês de março, foram divulgados. Segundo a IHS Markit, o PMI composto da Alemanha subiu de 56,1 em fevereiro para 57,1 em março, no maior nível em 70 meses. Na zona do euro, o PMI composto apresentou avanço de 56,0 em fevereiro para 56,4 em março, atingindo o maior patamar em 71 meses. A IHS Markit também divulgou o PMI de serviços do Reino Unido, que subiu de 53,5 em fevereiro para 55,0 em março, sendo o maior nível em três meses.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,13%, em 7.331,68 pontos, impulsionado por ações de mineradoras, que avançaram em sintonia com os preços do cobre. A BHP Billiton subiu 1,75% e a Antofagasta avançou 1,55%.
Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,53%, para 12.217,54 pontos. Os comerciantes optaram pela cautela diante da primeira reunião entre Trump e Xi Jinping, que começa nesta quinta-feira. "Se os tuítes de Trump forem semelhantes a 'xi é um grande cara', os mercados acionários poderiam atravessar o telhado", disse um trader de Frankfurt. Nesta quarta-feira, a Daimler caiu 1,00% e a BMW caiu 0,85%. As perdas compensaram ganhos registrados por bancos, com o Deutsche Bank subindo 0,32% e o Commerzbank tendo alta de 2,04%.
Na Bolsa de Paris, o CAC-40 baixou 0,18%, a 5.091,85 pontos. O setor bancário foi responsável por parte das perdas: o BNP Paribas caiu 1,00%; o Société Générale recuou 0,11%. Na terça, foi realizado o segundo debate entre os candidatos à presidência do país. Segundo uma pesquisa da Elabe, feita com 1.024 telespectadores, o esquerdista Jean-Luc Melenchon e o centrista Emmanuel Macron, que vem liderando as pesquisas de opinião, foram os mais convincentes no debate.
O índice FTSE-MIB, da Bolsa de Milão, registrou leve queda, de 0,02%, a 20.253,37 pontos. Entre os bancos italianos, o Intesa Sanpaolo baixou 0,32%, mas o Banco BPM subiu 0,30% e o Unicredit avançou 0,93%.
Em Madri, o índice Ibex-35 avançou 0,40%, para 10.402,70 pontos. Já o índice PSI-20, da Bolsa de Lisboa, teve alta de 0,47%, aos 4.979,91 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia