Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 08h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

05/04/2017 - 08h27min. Alterada em 05/04 às 09h04min

IPC-C1 sobe 0,56% em março ante 0,07% em fevereiro, revela FGV

Famílias de baixa renda voltaram a gastar mais com alimentos em março

Famílias de baixa renda voltaram a gastar mais com alimentos em março


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
A inflação percebida pelas famílias de baixa renda registrou alta de 0,56% em março, após o avanço de 0,07% em fevereiro, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) divulgado na manhã desta quarta-feira (5), pela Fundação Getulio Vargas (FGV).
O indicador é usado para mensurar o impacto da movimentação de preços entre famílias com renda mensal entre um e 2,5 salários mínimos. Com o resultado, o índice acumulou alta de 1,18% no ano. Em 12 meses, a taxa do IPC-C1 ficou em 4,24%, segundo a FGV.
Em março, a inflação da baixa renda ficou acima da variação da inflação média apurada entre as famílias com renda mensal entre um e 33 salários mínimos, obtida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que teve alta de 0,47% no mês. No acumulado em 12 meses, entretanto, a taxa do IPC-BR foi superior, aos 4,55%.

Alimentos mais caros pressionam inflação medida pelo IPC-C1 em março

As famílias de baixa renda voltaram a gastar mais com alimentos em março, o que ajudou a pressionar a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1).
Cinco das oito classes de despesa que integram o índice tiveram taxas de variação maiores: Alimentação (de -0,45% em fevereiro para 0,60% em março), Habitação (de 0,27% para 1,22%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,32% para 0,61%), Vestuário (de -0,37% para 0,11%) e Despesas Diversas (de 0,36% para 1,01%). Os destaques partiram dos itens aves e ovos (de -2,10% para 1,15%), tarifa de eletricidade residencial (de 0,38% para 5,75%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,26% para 1,27%), roupas (de -0,46% para -0,27%) e cigarros (de 0,11% para 1,33%), respectivamente.
Na direção contrária, houve redução nas despesas com os grupos Transportes (de 0,72% em fevereiro para -0,15% em março), Comunicação (de -0,02% para -1,53%) e Educação, Leitura e Recreação (de 0,67% para -0,19%), sob influência do movimento de itens como tarifa de ônibus urbano (de 0,90% para 0,23%), tarifa de telefone residencial (de -0,22% para -3,40%) e salas de espetáculo (de 2,02% para 0,36%).
O IPC-C1 é usado para mensurar o impacto da movimentação de preços entre famílias com renda mensal entre um e 2,5 salários mínimos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia