Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de abril de 2017. Atualizado às 15h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

Alterada em 04/04 às 15h15min

Com novos voos internacionais, Avianca prevê acréscimo entre 8% e 10% da receita

A Avianca Brasil anunciou nesta terça-feira, o lançamento de seus serviços internacionais, com voos diretos de São Paulo para Miami e Santiago. Embora já realize atualmente voos para Bogotá, a companhia considera que agora passa efetivamente a realizar uma operação internacional, com aeronaves maiores e com um volume maior de frequências.
As novas linhas foram apresentadas juntamente com a informação de que incorporou seu primeiro A330-200 de passageiros, aeronave que foi entregue quinta-feira passada. A empresa afirma que receberá outras duas unidades nas próximas semanas, que também colaborarão nas operações.
A expectativa da companhia é que os novos voos deverão acrescentar entre 8% e 10% na receita anual da companhia. "Este ano representará um pouco menos, porque os voos estão previstos para meados do ano", disse o vice-presidente de Marketing e Vendas da companhia, Tarcísio Gargioni.
Já em termos de números de passageiros, o executivo citou que, considerando uma ocupação de 80%, os novos voos permitirão um aumento de mais de 250 mil passageiros por ano com essas operações, dos 11 milhões de passageiros estimados para 2017.
O voo para Miami começará a operar a partir de 23 de junho e as passagens já estão à venda. "Por que Miami? Porque os passageiros pedem e havia espaço", disse o CEO da companhia, José Efromovich, citando que os brasileiros lideram em número de turistas que visitam Miami, respondendo por mais de 50%, enquanto estimativas apontam que 215 mil brasileiros moram no destino norte-americano. "O mercado já vinha pedindo há muito tempo esse voo, colocamos agora, que achamos que é o momento", acrescentou.
Os voos para Santiago estão previstos para ocorrer até o final de agosto. A escolha do destino chileno está relacionada ao fato de que o Brasil é o segundo emissor de turistas ao Chile, com 439 mil pessoas em 2016, disse Efromovich.
O presidente da companhia, Frederico Pereira, citou que a companhia ainda estuda um terceiro destino internacional a ser incorporado ainda este ano, mas não revelou quais estão em avaliação.
"Estamos caracterizando esta operação como início da operação internacional pela sua robustez", explicou Gargioni. A operação para Bogotá é mais simplificada, disse, feita com um A320neo, um avião menor, e é uma extensão de voo doméstico, com um frequência semanal. "Agora serão quatro voos diários, em um avião maior", comentou.
O valor do investimento, segundo Pereira, é "importante", mas não revelou um número. "São aeronaves novas, e uma operação deste tipo requer não só aeronaves, mas treinamento de pessoal, e já temos algumas centenas de pessoas em treinamento para atender quando operação começar", comentou. Segundo ele, o financiamento do investimento será feito com um mix de dívida e injeção de capital próprio, "como já foi feito no passado".
A Avianca prevê um crescimento de cerca de 17% no seu volume de passageiros transportados neste ano, em relação ao verificado no ano passado, passando de 9,4 milhões de passageiros para 11 milhões. Parte desse crescimento virá da recém lançada operação internacional, para a qual as estimativas da companhia apontam para um volume de 250 mil passageiros. Mas os demais 1,35 milhão de passageiros incorporados virão das operações domésticas, o que corresponde a um crescimento de 14%, em um momento de mercado ainda retraído.
Durante coletiva de imprensa, o presidente da Avianca afirmou que o atual momento não tem sido fácil para a aviação. "Não foi e continua não sendo", disse, lembrando que o setor aéreo nacional passou por uma "redução grande" da oferta no ano passado, quando também houve uma "contração nunca antes vista" no número de passageiros no País.
Ele salientou, porém, que na contramão do mercado, a Avianca Brasil ampliou em 14% a capacidade e em quase 15% a demanda, o que permitiu uma ampliação no fator de aproveitamento. Segundo ele, o desempenho da companhia significativamente acima da média decorre da proposta de oferecer "o melhor serviço, com preço competitivo", disse citando maior espaço entre poltronas, Wi-Fi a bordo e outros serviços de entretenimento, além de lanche sem custo adicional.
O executivo também comentou sobre indicadores de eficiência operacional e afirmou que a Avianca Brasil aparece na 18ª colocação em ranking internacional sobre pontualidade, com 75% de pontualidade em "zero minuto", ou seja, com fechamento das portas na hora exata ou antes da hora marcada. Ele também citou uma taxa de regularidade de 95,5%, referindo-se a dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de 2016. "Ou seja, tivemos apenas 4,5% de cancelamentos, o menor índice de cancelamentos do País", afirmou.
O CEO da Avianca, José Efromovich, salientou que a operação é feita com a frota mais jovem da América Latina, de 3,7 anos, citando os recém chegados A320neo, que operam na operação doméstica, e os A330-200, que serão direcionadas à nova operação internacional. Na semana passada a companhia recebeu seu primeiro A330-200, e mais dois devem chegar nas próximas semanas. Além disso, a companhia receberá também mais um A320neo.
O executivo explicou que a característica mais perceptível das novas aeronaves está relacionada à eficiência no consumo de combustível. "Isso faz com que possamos fazer o que fazemos: oferecer o que oferecemos sem cobrar mais por isso", comentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia