Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de abril de 2017. Atualizado às 14h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 03/04 às 14h59min

Bolsas europeias caem por cautela com ataque na Rússia e fraqueza de bancos

As bolsas europeias fecharam em baixa nesta segunda-feira, após uma explosão em um metrô em São Petersburgo gerar cautela entre investidores. Além disso, o dia foi negativo para o setor bancário em geral, em uma jornada com volatilidade em alguns mercados.
O índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,42% (1,59 ponto), para 379,55 pontos.
Mais cedo, as bolsas ficaram sem sinal único, mas a explosão em São Petersburgo, considerado um ataque terrorista por algumas autoridades da Rússia, gerou um quadro de maior cautela. O presidente Vladimir Putin disse que ainda era cedo para dizer o que causou a explosão, mas não descartou terrorismo.
Na agenda de indicadores, o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria da Alemanha avançou a 58,3 em março, na máxima desde abril de 2011, em linha com a previsão. No Reino Unido, por outro lado, o PMI industrial recuou de 54,5 em fevereiro para 54,2 em março, na mínima em quatro meses e frustrando a expectativa de 55,0 dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Na zona do euro, a taxa de desemprego caiu de 9,6% em janeiro para 9,5% em fevereiro, na mínima desde 1999. O PMI industrial da região subiu de 55,4 em fevereiro para 56,2 em março.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 0,55%, para 7.282,69 pontos. Entre os bancos, Barclays caiu 1,62% e Lloyds recuou 0,44%. Entre as mineradoras, Antofagasta e Anglo American tiveram baixa de 1,02% e 0,86%, respectivamente. A petroleira BP recuou 0,32%.
Em Frankfurt, o índice DAX caiu 0,45%, a 12.257,20 pontos. Entre os papéis mais negociados, Deutsche Bank recuou 2,79% e Commerzbank cedeu 1,32%, enquanto no setor de energia E.ON teve queda de 0,70%.
Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 teve baixa de 0,71%, a 5.085,91 pontos. Crédit Agricole caiu 1,65%, Société Générale recuou 2,60% e BNP Paribas teve queda de 1,94%, enquanto a petroleira Total caiu 0,95%. Air France teve leve alta de 0,11%.
Em Milão, o FTSE-MIB recuou 1,22%, para 20.242,88 pontos. Entre os bancos italianos, Intesa Sanpaolo caiu 1,57%, Banco BPM teve baixa de 2,66% e UniCredit caiu 2,70%. O papel da ENI caiu 1,50%, mas o da Saipem, por outro lado, avançou 3,27%.
O índice IBEX-35, da bolsa de Madri, caiu 1,32%, para 10.325,30 pontos. Banco Popular Español teve queda forte, de 10,44%, após a notícia de que seu executivo-chefe, Pedro Larena, está deixando a função do banco espanhol com mais problemas, entre os maiores. Santander recuou 1,74% e BBVA caiu 4,46%, enquanto CaixaBank cedeu 2,46%.
Em Lisboa, o índice PSI-20 teve queda de 0,80%, para 4.968,00 pontos. Banco Comercial Português caiu 3,06% e Jerónimo Martins teve baixa de 2,33%, enquanto Galp Energia caiu 0,53%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia