Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 09 de abril de 2017. Atualizado às 21h59.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 10/04/2017. Alterada em 09/04 às 21h57min

Fusões e aquisições como oportunidade

George Lippert Neto
O ano de 2016 foi marcado por grandes acontecimentos. Vimos a maior estatal do País abrir mão de diversos ativos, mergulhada em uma dívida de US$ 100 bilhões. A compra de grandes bancos dividiu espaço nas páginas de negócios. Crescer em tempos de crise econômica e instabilidade política é um desafio para as empresas. Por necessidade de caixa ou até mesmo para acessar novos mercados, são uma oportunidade de crescimento.
O cenário político e econômico do País afetou o número de fusões e aquisições no primeiro semestre houve queda de 29% em relação ao mesmo intervalo do ano passado, de acordo com dados da PwC. No entanto, com as novas medidas adotadas pelo governo, os negócios, aos poucos, foram se ajustando. Informações da plataforma Transactional Track Record mostram que, de janeiro a outubro, o mercado brasileiro teve 833 transações dessa ordem. Isso demonstra um crescimento de 3% em relação ao mesmo período de 2015. Só entre setembro e outubro, os meses mais movimentados, foram 201.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia