Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de março de 2017. Atualizado às 08h02.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Memória

Notícia da edição impressa de 23/03/2017. Alterada em 23/03 às 08h07min

Bisneto de Niemeyer critica fim de memorial a Prestes

Projeto de Niemeyer, Memorial Luís Carlos Prestes será aberto neste ano

Projeto de Niemeyer, Memorial Luís Carlos Prestes será aberto neste ano


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
Carlos Villela, especial para o JC
Um projeto do vereador Wambert Di Lorenzo (Pros), protocolado na Câmara Municipal de Porto Alegre, propõe mudar o Memorial Luís Carlos Prestes e transformar o espaço em um museu do povo negro. De acordo com o vereador, "não há nota na biografia de Luís Carlos Prestes que justifique essa homenagem em Porto Alegre".
Na justificativa do projeto, Wambert afirma que Prestes foi um "traidor da pátria" e que o local deveria ser utilizado para resgatar a história da comunidade negra do Estado. "Já existe um projeto de construção de um memorial ao povo negro e, em vez de homenagear um traidor da pátria, pode se usar o espaço do memorial já existente para homenagear os Lanceiros Negros, os escravos de Charqueadas e a história dos negros gaúchos."
O arquiteto Paulo Sérgio Niemeyer, bisneto de Oscar Niemeyer e coautor da obra, classifica a proposta do vereador como "absurda". Ele pontua que o memorial foi uma doação do bisavô para Porto Alegre e que alterar o viés do local seria um desrespeito com a cidade. "O memorial não é só um prédio, é um monumento à memória do Prestes. Não tem sentido uma pessoa querer mudar um monumento."
O presidente do Instituto Olga Benário, Edson Ferreira dos Santos, define a proposta como um retrocesso. "Não é questão de ser de esquerda ou de direita. O vereador pode ser anticomunista, pode ter seu viés ideológico, mas não pode querer reescrever a história e ignorar a figura de Luís Carlos Prestes nela." Santos ainda criticou o "linguajar vulgar" da justificativa e das críticas a Prestes por Wambert, e disse que o projeto é uma ofensa à memória de Niemeyer.
A comunidade negra também tem críticas ao projeto. Antônio Matos, membro da direção estadual do Movimento Negro Unificado, disse que a proposta do vereador "não é para beneficiar o povo negro; ele quer nos usar só para tirar o nome do Prestes de lá". Matos questionou a ausência de consulta com o movimento por parte do vereador ao apresentar a proposta. "Se o vereador tem interesse em que haja um memorial para o povo negro, lugar em Porto Alegre não falta para construir. O Largo Zumbi dos Palmares é perfeito pra isso."
A construção do memorial foi proposta pelo então vereador Vieira da Cunha (PDT) em 1990. A obra, último projeto do arquiteto Oscar Niemeyer, já está concluída, e a inauguração está prevista para o próximo mês. Em troca do uso de metade do terreno da obra para a construção de sua nova sede, a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) assumiu o compromisso de executar a obra e de fazer a manutenção e a segurança do local.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia