Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de março de 2017. Atualizado às 19h58.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 15/03 às 20h00min

Andrade Gutierrez recebeu promessa de compensação de ex-secretário, diz executivo

O superintendente da Andrade Gutierrez (AG), João Marcos de Almeida da Fonseca, afirmou em depoimento nesta quarta-feira (15), que a empreiteira recebeu a promessa do ex-secretário de governo na gestão de Sérgio Cabral, Wilson Carlos, que receberia uma "compensação futura" ao aceitar uma participação menor no consórcio do Arco Metropolitano.
O então governo fluminense teria decidido que a AG ficaria com uma participação menor no consórcio, que seria liderado pela Odebrecht. "Carlos não deu explicação, mas disse que seriamos compensados em obras futuras", afirmou em depoimento à 7ª Vara Federal Criminal do Rio em audiência da Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato no Rio.
Na ação, o grupo que seria liderado por Cabral é acusado dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa nas obras para a urbanização em Manguinhos (PAC Favelas), construção do Arco Metropolitano e reforma do estádio do Maracanã para a Copa de 2014.
Fonseca diz que havia uma expectativa na empresa de se tornar líder do consórcio. A promessa sobre a compensação em obras futuras teria sido feita por Carlos em uma reunião num escritório no Leblon, antes da licitação.
O superintendente confirmou também que o governo do Rio cobrava uma mesada de quem quisesse realizar obras no futuro no Estado, que seria de R$ 350 mil. A autorização para o pagamento teria sido feita pelo então presidente da empresa, Rogério Nora. Ele teria uma planilha para controle dos pagamentos.
Também diz que recebeu a função de avisar a Wilson Carlos sobre a intenção da Andrade Gutierrez de parar de fazer os pagamentos, mas que havia medo de retaliação. "Coloquei para ele (Wilson Carlos), não com veemência com medo de retaliação. Até achei que tinha paralisado (os pagamentos), mas depois verifiquei isso só ocorreu depois", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia