Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de março de 2017. Atualizado às 01h07.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 16/03/2017. Alterada em 16/03 às 01h03min

Após citação, Moreira Franco contrata advogado

Peemedebista foi citado por ex-executivo da Odebrecht em delação

Peemedebista foi citado por ex-executivo da Odebrecht em delação


AFP/JC
O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco (PMDB), que aparece na lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou ontem que somente irá se manifestar nos autos do processo. Ele disse, porém, que já contratou advogado para a sua defesa. Segundo o ministro, com o encaminhamento dos nomes ao Supremo Tribunal Federal (STF), o "problema" deixou ser "especulação" do plano da política e passou para a esfera judicial.
O ministro foi citado na delação do ex-executivo da Odebrecht Cláudio Mello Filho. Ele revelou denúncias de pagamento de recursos de caixa-2 para campanhas eleitorais de diversos políticos do PMDB e integrantes do primeiro escalão do governo federal, como o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), além do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB). O próprio presidente Michel Temer (PMDB) é citado. O ex-executivo da empreiteira disse que Temer procurou Marcelo Odebrecht com pedido de R$ 10 milhões. O dinheiro teria sido entregue em espécie no escritório do advogado José Yunes, amigo e assessor especial do presidente Temer, durante a campanha eleitoral de 2014.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia