Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de março de 2017. Atualizado às 15h01.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

14/03/2017 - 11h13min. Alterada em 14/03 às 15h08min

Governo mudará Bolsa Família para estimular mercado formal de trabalho

Agência O Globo
O ministro de Desenvolvimento Soacial, Osmar Terra, afirmou, na segunda-feira (13), que o governo anunciará, até o fim do mês, mudanças no Bolsa Família para estimular a entrada de beneficiários do programa no mercado formal de trabalho.
Pelas novas regras, que ainda não foram fechadas, beneficiários que conseguirem empregos com remuneração entre quatro e cinco salários mínimos, ou seja, até R$ 4.685, continuarão recebendo o Bolsa Família por dois anos. E se perderem o trabalho depois desse período, voltarão automaticamente a receber o benefício do governo.
“O Bolsa Família hoje é uma causa importante, senão a maior, da informalidade no mercado de trabalho. As pessoas morrem de medo de perder o Bolsa Família se arranjarem um emprego. E se arrumam (um emprego) não querem assinar a carteira”, disse o ministro, ao participar do evento "Brasil de Ideias", promovido pela revista "Voto".
O valor médio pago às 13,5 milhões de famílias atendidas hoje - que reúnem cerca de 50 milhões de pessoas - é de R$ 182. A quantia pode ser maior ou menor conforme a renda da família, o número de dependentes, entre outros fatores.
Segundo Osmar Terra, o governo também premiará prefeitos pela emancipação de famílias do Bolsa Família. Eles passarão a ganhar um bônus em dinheiro do governo federal para o município e um troféu das mãos do presidente Michel Temer.
“É uma forma de estimular o prefeito. Ele não tem ganho político com isso e vai passar a ter”, disse o ministro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia