Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de março de 2017. Atualizado às 22h35.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Ministério Público

Notícia da edição impressa de 02/03/2017. Alterada em 01/03 às 21h16min

Grupos de teatro pedem ação do MP para ocupação de hospital

Procurador de Justiça César Faccioli recebeu coletivos teatrais ontem

Procurador de Justiça César Faccioli recebeu coletivos teatrais ontem


DANIEL BLASIUS/DIVULGAÇÃO/JC
Carlos Villela, especial para o JC
Grupos de teatro de Porto Alegre se encontraram, na tarde de ontem, com o procurador de Justiça César Faccioli para dar prosseguimento à retomada do uso de pavilhões do Hospital Psiquiátrico São Pedro para ensaios e apresentações. Os integrantes dos coletivos entregaram um pedido solicitando uma ação do Ministério Público (MP). A representação, assinada pelo Sindicato de Artistas e Técnicos de Espetáculos de Diversão (Sated/RS) e as companhias de teatro Falus & Stercus, Oigalê Cultural, Neelic e Povo da Rua solicita que o MP atue para reverter determinação e garantir a utilização do espaço. A audiência, marcada pelo deputado estadual Pedro Ruas (PSOL), foi motivada por uma decisão da Secretaria Estadual da Saúde que impede a realização de ensaios e a guarda de materiais no Condomínio Cênico do Hospital, composto por dois pavilhões. Esse encontro é uma tentativa de resolver de forma jurídica o conflito dos grupos teatrais com a Secretaria da Saúde, que no fim do ano passado retomou os pavilhões previamente destinados à Secretaria Estadual da Cultura para ensaios destes grupos. De acordo com a pasta, há riscos estruturais nos locais, e um laudo do Corpo de Bombeiros é contrário à utilização do local.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia