Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de março de 2017. Atualizado às 22h35.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Lava Jato

Notícia da edição impressa de 02/03/2017. Alterada em 01/03 às 20h22min

Delator diz que WTorre pediu R$ 18 milhões para deixar concorrência

Delator da empreiteira Schahin, o engenheiro Edison Coutinho confirmou ao Ministério Público Federal que Paulo Remy Gillet Neto, sócio da WTorre, pediu R$ 18 milhões para abrir mão de uma concorrência e permitir que o cartel, reunido no consórcio Novo Cenpes, assumisse a obra do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), na Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro. O caso, que revela a corrupção na iniciativa privada, foi revelado na 31ª fase da Lava Jato, em julho do ano passado.
Na ação, executivos da Petrobras e das empreiteiras OAS, Carioca Engenharia, Schahin, Construbase e Construcap respondem por corrupção e lavagem de dinheiro na reforma. O acordo de delação premiada de Coutinho só foi homologado em 8 de fevereiro. Ele deverá pagar multa de R$ 500 mil.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia