Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 22h34.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 21/03/2017. Alterada em 20/03 às 19h12min

Ensinar é encorajar

Irmão Manuir Mentges
Trabalhar com educação é se relacionar com pessoas que são subjetivamente incomparáveis e socialmente afetadas pelo mundo em que vivem. Isso implica estudar as gerações, investigando continuamente, por exemplo, a forma com que os jovens se relacionam, como enxergam o mundo, o que querem etc. Não é algo simples, sobretudo por envolver pessoas de diferentes idades e percepções na construção do processo educativo, sejam elas educadores ou famílias. A grande questão, no entanto, reside na reflexão e na clareza do papel que essas diferentes pessoas devem ter na relação com o estudante: o de incentivadores. No que se refere a projetos de vida, não há espaço para receitas prontas. Por isso, é fundamental encorajar descobertas, escolhas, decisões e atitudes que promovam a realização pessoal.
Trata-se de ajudar a discernir critérios de escolha, de mostrar caminhos, mas não guiá-los. É sobre deixá-los descobrir o prazer de suas conquistas e aprenderem com os tropeços. Não é nossa função determinar o que é sucesso e fracasso, embora socialmente exista a compreensão opressiva de que isso passa, necessariamente, pela perspectiva econômica e de tudo o que dela decorre. Precisamos retirar a pressão crescente que tanto limita nossos jovens. Qual foi a sua nota no Enem? São tantas as perguntas que reduzem nossos jovens a executores.
E quando os cobramos, mesmo que de forma inconsciente, estamos tirando o sabor de suas vitórias, mesmo as que ainda estão por vir. Estamos esquecendo o valor da vivência em detrimento do peso de um resultado. E, ao fazê-lo, estamos nos aproximando do discurso próprio às máquinas e não a seres humanos. É preciso olhar com cuidado para as pessoas, especialmente as mais novas. Precisamos ser fontes de inspiração, não juízes. Precisamos olhá-las com o coração e deixar que vivam a melhor época de suas vidas, independentemente do caminho escolhido. Amados, respeitados e encorajados, eles darão conta do resto, inclusive das notas e números que a sociedade exige para abrir algumas portas, caso eles as queiram abrir.
Gerente educacional dos Colégios Maristas
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia