Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de março de 2017. Atualizado às 17h44.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

28/03/2017 - 17h28min. Alterada em 28/03 às 17h46min

Trump assina decreto revertendo regulações ambientais

 Apesar do esforço, o republicano acredita que as mudanças não devem prejudicar a capacidade do governo de assegurar água potável e energia limpa ao país

Apesar do esforço, o republicano acredita que as mudanças não devem prejudicar a capacidade do governo de assegurar água potável e energia limpa ao país


JIM WATSON /AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta terça-feira um decreto que reverte parte das regulações ambientais aprovadas pelo seu antecessor, o democrata Barack Obama.
"Meu governo está colocando um fim à guerra ao carvão", afirmou Trump pouco antes de assinar o documento na Agência de Proteção Ambiental (EPA), repetindo um slogan de campanha em que promete trazer de volta os postos de trabalho da indústria mineradora.
Apesar do esforço, o republicano acredita que as mudanças não devem prejudicar a capacidade do governo de assegurar água potável e energia limpa ao país.
"Estamos nos livrando das (regras) ruins", disse, lembrando de outras medidas tomadas pelo seu governo, incluindo a aprovação de dois oleodutos controversos no país, o Dakota Access e o Keystone XL.
O decreto pede a revisão do Plano para Energia Limpa, que restringe emissões de gás estufa em usinas de carvão. Ele também revoga um embargo sobre novos contratos de arrendamento para extração de carvão em terras federais, que estava em voga há 14 meses. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia