Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de março de 2017. Atualizado às 17h48.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

Alterada em 23/03 às 17h52min

Câmara dos EUA adia votação de hoje sobre reforma da saúde

A liderança do Partido Republicano na Câmara dos Estados Unidos cancelou a esperada votação sobre o projeto de lei de reforma da saúde, com o objetivo de derrubar e substituir o programa Obamacare.
Ainda não há informações confirmadas sobre quando ocorrerá a votação, mas segundo fontes da Casa Branca, ela pode ocorrer amanhã de manhã.
A decisão ocorreu após o presidente, Donald Trump, não ter conseguido chegar a um acordo com a ala conservadora republicana, conhecida como Freedom Caucus, que não aceitavam o projeto de lei como estava apresentado. Republicanos considerados moderados também não aprovavam a legislação, deixando o número de políticos a favor muito pequeno para obter a aprovação necessária.
Segundo fontes da Câmara, os republicanos devem realizar uma reunião à portas fechadas nesta noite, às 20h (de Brasília) para contar os chamados "votos processuais", que devem dar um panorama sobre quantos votos a favor da reforma a Câmara terá. Dependendo do resultado, será decidido se a votação deve ocorrer amanhã.
De acordo com estimativa da Associated Press, pelo menos 30 republicanos na Câmara afirmaram que votarão contra o projeto de lei, número já suficiente para que a medida não seja aprovada. Para a lei passar, apenas 22 legisladores republicanos podem apoiar o "não" ao se juntarem aos democratas.
Em uma reunião com caminhoneiros, Trump chegou a afirmar para jornalistas em coletiva de imprensa que o projeto de lei seria votado hoje e que segue positivo que a Câmara irá rechaçar e substituir o Obamacare. Entretanto, os comentários ocorreram minutos antes da informação sobre o cancelamento da votação ser divulgado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia