Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de março de 2017. Atualizado às 17h50.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 21/03 às 17h55min

Trump pressiona republicanos no Congresso para aprovarem reforma da saúde

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pressionou os republicanos no Congresso norte-americano e alertou que eles podem perder assentos na Casa no próximo ano, caso não apoiem a reforma do programa de saúde, que visa acabar com o Obamacare - uma promessa de campanha de Trump.
O presidente foi até o Capitólio, uma medida não tão comum, e se reuniu à portas fechadas com lideranças do partido republicano. A votação para a aprovação do projeto ocorre na quinta-feira e diversos republicanos não concordam com a totalidade do plano. Na segunda-feira, alguns membros do partido divulgaram uma proposta de reforma, na tentativa de angariar mais votos a favor.
Se o projeto não for aprovado na quinta-feira, as políticas do novo governo podem perder força e demorar meses para ocorrer, o que deve atrasar a aguardada reforma tributária para 2018, ou mesmo ameaçar sua aprovação.
O apoio do partido ao projeto de reforma da saúde perdeu força na semana passada, quando uma análise de um comitê bipartidário do Congresso estimou que o novo programa faria 24 milhões de pessoas ficarem sem plano de saúde em uma década e que os mais afetados seriam cidadãos entre 50 e 64 anos.
Se o projeto de lei for aprovado na quinta-feira, o que agora parece uma situação improvável, ele ainda deve passar pelo Senado - controlado pelos republicanos. Entretanto, alguns senadores do partido já expressaram oposição ao projeto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia