Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de março de 2017. Atualizado às 14h26.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 10/03 às 14h29min

EUA sinalizam que renegociação do Nafta pode começar no final de junho

O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, afirmou nesta sexta-feira que o governo do presidente Donald Trump pode notificar formalmente o Congresso, nas próximas semanas, de que pretende iniciar a renegociação do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta).
Caso a Casa Branca siga com o planejado, as conversas podem começar no final de junho ou em julho.
"O próximo estágio acontecerá, esperamos, nas próximas semanas", afirmou Ross após se encontrar com o ministro da Economia do México, Ildefonso Guajardo, em Washington.
A renegociação do Nafta é uma das promessas da campanha do republicano à presidência, no ano passado. Em comícios, Trump chegou a defender que os EUA se retirassem do acordo caso o México e o Canadá não aceitem rediscutir os termos do acordo.
Segundo Ross, a substância das negociações é mais importante que o formato.
"Queremos fazer ou duas negociações bilaterais paralelas com provisões simétricas ou uma nova negociação trilateral", afirmou.
Guajardo afirmou que as conversas trilaterais fazem mais sentido ao lidar com regras complicadas como sobre a indústria automotiva e outras questões.
"O Nafta é um acordo trilateral, então faz sentido termos uma discussão trilateral", afirmou.
As autoridades mexicanas e norte-americanas também discutiram a disputa entre os dois países envolvendo o comércio de açúcar. Fonte: Dow Jones Newswires.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia