Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de março de 2017. Atualizado às 22h37.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Guatemala

Notícia da edição impressa de 10/03/2017. Alterada em 09/03 às 20h23min

Incêndio ocorreu após denúncia de abusos sexuais

Ativistas de direitos humanos jogaram carvão em frente à Casa Presidencial

Ativistas de direitos humanos jogaram carvão em frente à Casa Presidencial


JOHAN ORDONEZ/AFP/JC
O número de adolescentes mortas no incêndio de um abrigo superlotado em San José Pinula, em uma área rural perto da Cidade da Guatemala, aumentou para 29 nesta quinta-feira, após a morte de jovens que estavam internadas. De acordo com a assessoria de imprensa dos hospitais San Juan de Dios e Roosevelt, as menores faleceram pela gravidade das queimaduras que sofreram após o incêndio de quarta-feira no Lar Seguro Virgem de Assunção.
"Eu trabalho nisto há 29 anos e o que vi era uma cena de Dante", disse Juan Antonio Villeda, diretor do hospital San Juan de Dios, onde 17 jovens estavam internadas com queimaduras de primeiro e segundo graus.
As causas do incêndio serão apuradas. O abrigo, para menores vítimas de violência doméstica ou que foram resgatados das ruas, tem dezenas de reclamações sobre abusos sexuais e condições de vida. O centro tem capacidade para 400 menores, mas abrigava mais de 500. O incêndio ocorreu depois que 19 adolescentes fugiram para denunciar os abusos, segundo o chefe da agência de assistência social da Guatemala, Carlos Rodas. 
Como sinal de repúdio e para denunciar uma suposta negligência das autoridades, um grupo de ativistas de direitos humanos jogou carvão e colocou bonecas em frente à Casa Presidencial. "Como não puderam perceber para poder salvá-las a tempo se a fumaça é vista rapidamente?", questionou o tio de uma menor de 15 anos morta e identificada por teste de DNA.
"Em meus 13 anos de carreira, nunca vi nada como isto. É trágico", declarou Carlos Soto, diretor do Hospital Roosevelt, descrevendo as severas queimaduras nos pulmões, garganta e pele sofridos pelas jovens.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia