Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de março de 2017. Atualizado às 22h42.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Coreia do Norte

Notícia da edição impressa de 02/03/2017. Alterada em 01/03 às 19h48min

Governo da Coreia do Norte critica perícia na morte de Kim Jong-nam

A Coreia do Norte negou firmemente as conclusões da perícia malasiana que sugerem que a substância química usada para assassinar o meio-irmão do líder Kim Jong-un foi utilizada por um cidadão norte-coreano com passaporte diplomático. A agência de notícias estatal de Pyongyang disse que a quantidade da substância extremamente tóxica foi detectada no cadáver em níveis "absurdos", o que mostra falta de "precisão científica e coerência lógica".
A agência de notícias cita o relato de duas mulheres acusadas pelo ataque a Kim Jong-nam no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia, no dia 13 de fevereiro. Ambas foram indiciadas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia