Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de março de 2017. Atualizado às 10h52.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

china

Alterada em 01/03 às 10h52min

Estado Islâmico divulga vídeo com ameaça à China

Um vídeo do Estado Islâmico parece mostrar recrutas da minoria muçulmana Uighur da China ameaçando "vingar a opressão", alimentando a afirmação de que Pequim vive uma crescente ameaça de terror jihadista.
O vídeo de meia hora foi divulgado por uma divisão estadual islâmica no oeste do Iraque, de acordo com o grupo SITE Intelligence, que monitora a atividade jihadista online. O vídeo, com legenda em árabe e uigur, mostra os combatentes Uighur no campo de batalha, bem como várias execuções terríveis de informantes acusados, disse o SITE Intelligence.
"Vocês chineses que não entendem o que as pessoas dizem!", disse um dos militantes antes de uma execução, de acordo com a tradução do SITE. "Nós somos os soldados do Califado, e iremos até você para esclarecer como é a língua de nossas armas, para derramar sangue como rios e vingar os oprimidos, se Allah permitir", acrescentou.
O recrutamento por grupos de jihadistas do Oriente Médio tem colocado Pequim em alerta cada vez mais alto, particularmente em sua região noroeste de Xinjiang, que faz fronteira com o Paquistão e o Afeganistão e é o lar da maioria muçulmana Uighur. De acordo com dois estudos recentes, mais de 100 cidadãos chineses se juntaram ao grupo na Síria, e autoridades chinesas dizem que cerca de 300 uigures estão lutando com o movimento jihadista na Síria e no Iraque.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia