Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de março de 2017. Atualizado às 00h39.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Infância

Notícia da edição impressa de 30/03/2017. Alterada em 30/03 às 00h37min

Só 27,9% de crianças até quatro anos vão a creches no Estado

Cerca de 341 mil menores na faixa analisada estão matriculados

Cerca de 341 mil menores na faixa analisada estão matriculados


FREDY VIEIRA/JC
Isabella Sander
Um levantamento divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou dados relativos aos cuidados com crianças com menos de quatro anos de idade no Brasil. Com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2015, o estudo mostra que, dos 473 mil domicílios com menores nessa faixa etária no Rio Grande do Sul, apenas 132 mil (27,9%) tinham crianças matriculadas em creches. Em relação aos outros 341 mil (72,1%), em 102 mil os responsáveis não tomaram nenhuma medida para conseguir a vaga e 115 mil buscaram creches ou escolas.
Dos 4,1 milhões de domicílios existentes no Rio Grande do Sul, somente 11,5% têm crianças com menos de quatro anos de idade. Isso torna o Rio Grande do Sul o segundo estado com menor percentual de residências com pessoas dessa faixa etária, ganhando só do Rio de Janeiro, com 11,4%. Nesses 473 mil domicílios, há 507 mil crianças com menos de quatro anos no Estado. Dessas, 437 mil (86,2%) ficam de manhã e de tarde, de segunda a sexta-feira, no mesmo local, com a mesma pessoa.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia