Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de março de 2017. Atualizado às 13h22.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

Notícia da edição impressa de 30/03/2017. Alterada em 30/03 às 11h01min

Restauro da Praça da Matriz começa na próxima semana

Monumento será analisado por especialistas europeus

Monumento será analisado por especialistas europeus


JC
Suzy Scarton
Localizada no centro político de Porto Alegre, a Praça da Matriz, enfim, passará por um processo de restauração. A intervenção, que deve durar dois anos, tem financiamento garantido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Cidades Históricas, do Ministério do Planejamento. A primeira etapa da requalificação envolve a restauração do monumento a Júlio de Castilhos e será iniciada na semana que vem.
Somente a restauração do monumento deve custar em torno de R$ 1,1 milhão, de acordo com o arquiteto da Secretaria Municipal da Cultura (SMC), Luiz Merino. "A obra inclui também a plataforma em volta do monumento, as muretas, o piso e a escadaria", explica. Para análise do dano à obra de arte e para a execução dos trabalhos, foram recrutados especialistas europeus, indicados pelo Iphan. Uma comissão de profissionais da SMC, do Iphan e da Secretaria Municipal do Meio Ambiente também estará envolvida. O trabalho deve durar oito meses, com conclusão prevista para abril.
Já a requalificação da área da praça como um todo será mais demorada. "Vamos começar a partir do término da primeira etapa, ocorrida em meados de novembro, e deve levar um ano para ser concluída", calcula Merino. Para essa etapa, será necessário um investimento de R$ 2,81 milhões. "Será realizada uma restauração paisagística. Nada será trocado, tudo vai ser restaurado", detalha. Os gradis e os bancos, por exemplo, serão retirados para pintura e aperfeiçoamento, e depois, devolvidos à praça.
As pedras portuguesas do piso, que, de acordo com Merino, são de boa qualidade, podem ser reaproveitadas, e as luminárias antigas que estão instaladas no local serão recuperadas. Merino ainda acrescenta que o número de bancos aumentará de 30 para 60.
A verba do PAC Cidades Históricas destinada ao Rio Grande do Sul foi anunciada pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2013. Jaguarão, Pelotas, Porto Alegre e São Miguel das Missões receberam um total de R$ 151,22 milhões para a execução de 29 projetos de restauração de monumentos históricos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
paulo chiella 30/03/2017 11h23min
Estas ações de revitalizar praças, e monumentos são corretas, mas deveriam aproveitar e verificar todos monumentos ou representações de personalidades,bustos e estatuas que hoje estão sem identificação, pela ação de ladrões e fazerem a devida identificação dos mesmos, pois temos diveros blocos de granito que nada representam .