Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de março de 2017. Atualizado às 16h04.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

gente

16/03/2017 - 15h46min. Alterada em 16/03 às 16h06min

Morre aos 77 anos a socióloga e feminista Lícia Peres

Lícia era natural de Salvador e se mudou para Porto Alegre em 1940

Lícia era natural de Salvador e se mudou para Porto Alegre em 1940


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
Faleceu na noite desta quarta-feira (15), em Porto Alegre, a socióloga Lícia Peres. Ela tinha 77 anos e era viúva do jornalista gaúcho Glênio Peres, com quem se casou em 1940. Natural de Salvador, Lícia foi pioneira no movimento feminista no Rio Grande do Sul e no Brasil. Ela veio morar em Porto Alegre ao casar-se com Glênio.
Cursou Ciências Sociais na Ufrgs e iniciou sua militância política no movimento estudantil. Atuante na resistência à ditadura militar, filiou-se ao MDB. Fundou e presidiu o Comitê Feminino pela Anistia no RS.
Adepta de Leonel Brizola, passou a atuar no PDT após a redemocratização. Integrou a comissão do Acervo de Luta contra a Ditadura no Rio Grande do Sul desde sua criação, no início de 2000. Integrava os diretórios estadual e nacional do PDT.
Em 2010, o Jornal do Comércio realizou uma entrevista com Lícia em que ela projetava o governo de Dilma Rousseff e falava de sua amizade com a ex-presidente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia