Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de março de 2017. Atualizado às 13h50.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino

09/03/2017 - 13h07min. Alterada em 09/03 às 13h56min

Professores de escolas municipais fazem manifestação na Bento Gonçalves

Professores e alunos das Escolas do Alto Partenon fazem manifestação na manhã desta quinta

Professores e alunos das Escolas do Alto Partenon fazem manifestação na manhã desta quinta


NIÁGARA BRAGA/ESPECIAL/JC
Niágara Braga
Na manhã desta quinta-feira (9) professores e alunos integrantes do grupo Escolas do Alto Partenon fizeram uma manifestação pacífica no viaduto São Jorge, na avenida Bento Gonçalves, em Porto Alegre. Com o grito “Pela educação”, manifestantes levantavam seus cartazes enquanto o semáforo estava com sinal vermelho para os carros. Não houve obstrução do trânsito.
A reivindicação do grupo é em relação às novas diretrizes para a organização da rotina diária da rede pública anunciada pela Prefeitura. Os manifestantes alegam que as mudanças deveriam ser discutidas com as comunidades e os docentes.
“Nossa preocupação é que o secretário não visitou nenhuma das comunidades. Não sabe do trabalho que se faz na Restinga, na Bom Jesus, na Lomba do Pinheiro. E sem conhecer a rotina da escola, não tem como propor uma mudança. Tu tens que visitar a periferia ver como é o funcionamento, para tentar pensar em uma solução para melhorar a educação”, argumentou Tiago Medeiros, professor da Escola Judith Macedo de Araújo, localizada no bairro São José.
Professores e alunos das Escolas do Alto Partenon fazem manifestação na manhã desta quinta. 09/03/2016
Márcia é professora há 18 anos, enquanto Tiago exerce a profissão há oito
Márcia Castro, também professora da mesma escola, aponta, ainda a mudança sobre a alimentação das crianças. “Nós teremos que servir almoço para todos os alunos juntos e sem o acompanhamento de professores. Principalmente com os pequenos, isso vai ser um grande problema”, ressalta.
O grupo irá realizar uma assembleia geral às 15h desta quinta-feira (9), na Casa do Gaúcho para debater os assuntos reivindicados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia