Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de março de 2017. Atualizado às 15h26.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

DIREITOS HUMANOS

24/03/2017 - 15h01min. Alterada em 24/03 às 15h28min

Porto Alegre recebe primeira edição da Copa dos Refugiados, neste domingo na Arena

Evento busca promover a integração entre os refugiados e a sociedade

Evento busca promover a integração entre os refugiados e a sociedade


Agência Ponto/Divulgação/JC
Melissa Renz
Porto Alegre será palco de uma ação de integração social neste domingo (26). Para comemorar os 245 anos da Capital gaúcha, celebrados em março, e promover a integração entre os refugiados e a sociedade, será realizada a primeira Copa dos Refugiados no Rio Grande do Sul, que acontecerá na Arena do Grêmio. A abertura do evento terá início às 13h, e os jogos começam às 16h. 
O evento em Porto Alegre é promovido pela agência de inovação social Ponto e entidades como Associação Antônio Vieira (ASAV), Agência da ONU para Refugiados (Acnur), Grêmio, Arena Portoalegrense e a prefeitura de Porto Alegre. A página do evento no Facebook tem mais de 500 confirmados.
O sócio-diretor da Ponto Rodrigo Vicêncio acredita que o torneio pode trazer uma empatia entre a sociedade e os refugiados. “É uma maneira de poder fazer o exercício de se colocar no lugar e imaginar nós mesmos chegando em um outro país nessas condições. Faz parte do papel da sociedade acolhê-los. Queremos transformá-los em protagonistas dentro da sociedade", afirma.
Ao todo, o torneio terá oito times, totalizando 110 atletas de países como Senegal, Venezuela, Haiti, Angola, Colômbia e Peru. Além dos jogos, estão programadas diversas ações de inclusão social, digital, cidadã e trabalhista.
Na ocasião, refugiados e migrantes vão poder enviar e receber mensagens para sua família, e também poderão compartilhar seus currículos. Além disso, serviços complementares gratuitos, como exames básicos de saúde e auxílio jurídico também será parte das ações do evento. Muitas das ações se estenderão ao longo de todo o ano.
Para a entrada no jogo é necessário 1 kg de alimento não perecível, dentro da validade e em embalagem lacrada. Os alimentos serão destinados a refugiados recém-chegados atendidos pela Paróquia Nossa Senhora da Pompéia, no centro da Capital. A expectativa de público é de cerca de 3 mil pessoas.
A ideia do evento surgiu em 2014, a partir da iniciativa do refugiado congolês Jean Katumba, fundador da ONG África do Coração. Esta será a primeira vez que a Copa vai acontecer num estádio profissional. Jean já havia tentando organizar o evento em outros estádios, mas não obteve sucesso. As primeiras edições do torneio que aconteceram em São Paulo foram realizadas em centros comunitários. Quem quiser contribuir para o projeto, pode fazer uma doação pelo link www.vakinha.com.br/vaquinha/copa-dos-refugiados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia