Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de março de 2017. Atualizado às 17h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 30/03 às 17h54min

Petróleo fecha em alta, com estoque e extensão do acordo da Opep no radar

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta quinta-feira, 30, ampliando os ganhos da sessão anterior, ainda influenciados pelo relatório semanal de estoques do Departamento de Energia (DoE) dos Estados Unidos.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para maio fechou em alta de 1,70%, a US$ 50,35 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o petróleo tipo Brent para junho avançou 1,12%, para US$ 53,13 por barril. Com isso, o petróleo WTI voltou a fechar acima dos US$ 50 por barril após três semanas.
O relatório do DoE da semana encerrada em 24 de março mostrou uma alta nos estoques de petróleo abaixo do estimado pelos analistas e queda acima do previsto nos estoques de gasolina e de destilados. Os dados ajudaram a amenizar algumas dessas preocupações e apoiaram uma alta nos preços da commodity. "As grandes quedas nos estoques de gasolina sugerem que os estoques de petróleo estão em vias de declínio", disse a ANZ Research. Já Peter Cardillo, economista-chefe de mercado da First Standard Financial afirmou acreditar que "a enorme acumulação de estoques está, basicamente, chegando ao fim.
Desde o início do ano, os preços do petróleo vinham sendo negociados no intervalo entre US$ 52 e US$ 55 por barril, mas acabaram perdendo força em meio a preocupações com o aumento da produção nos EUA e com dúvidas sobre se a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) conseguirá estender o seu acordo de corte na produção para além de junho.
Nesta quinta-feira, relatos de que membros da Opep, como o Kuwait, estão mais inclinados a apoiar uma extensão nos cortes influenciaram os preços do petróleo. Além disso, o Iraque reduziu sua produção da commodity em mais de 300 mil barris por dia em março, em 90% de conformidade com o estabelecido no acordo, segundo a companhia iraquiana Somo. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia