Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de março de 2017. Atualizado às 10h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

30/03/2017 - 10h09min. Alterada em 30/03 às 10h09min

Dólar avança com varejo ruim e pressão técnica

O dólar avança ante o real na manhã desta quinta-feira (30), amparado pelos dados ruins de vendas do varejo em janeiro e pela pressão técnica de comprados em contratos cambiais (que apostaram na alta de preço), segundo o operador da corretora Hcommcor, Cleber Alessie Machado Neto.
Para Neto, no entanto, o dólar pode inverter o sinal e cair durante a manhã, por conta de pressão antecipada de vendidos em câmbio, além da perspectiva de aceleração de corte de juros pelo BC após os resultados negativos dos setores de serviço na quarta-feira, 29, e do comércio nesta quinta - e também com a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação do primeiro trimestre. A não criação de novos impostos pelo governo também agrada e pode contribuir para o fortalecimento do real, afirmou o operador.
Às 9h20min, o dólar à vista subia 0,28%, aos R$ 3,1261. O dólar futuro para abril estava em alta de 0,14% no mesmo horário, aos R$ 3,1275.
No RTI, divulgado nesta quinta-feira, o Banco Central avalia que a queda na inflação espalhada por mais setores fortalece a chance de cortes de juros maiores nas próximas reuniões do Copom, em comparação às duas últimas decisões do colegiado. Em ambas as ocasiões o corte na Selic - atualmente em 12,25% ao ano - foi de 0,75 ponto porcentual.
As vendas do comércio varejista caíram 0,7% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal, abaixo do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 0,30% a alta de 1,50%, com mediana positiva de 0,60%.
Na comparação com janeiro de 2016, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram recuo de 7,0% em janeiro de 2017. Nesse confronto, as projeções iam de uma retração de 5,50% a 3,30%, com mediana negativa de 4,20%. As vendas do varejo restrito acumularam retração de 7,0% no ano e queda de 5,9% em 12 meses.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia