Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de março de 2017. Atualizado às 00h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Notícia da edição impressa de 30/03/2017. Alterada em 29/03 às 21h04min

Contrabando gerou prejuízo de R$ 130 bilhões em 2016

O governo federal, em parceria com uma série de entidades ligadas ao mercado, divulgou ontem um protocolo de intenções contra o contrabando de produtos no País. As ações incluem desde o suporte técnico e operacional para execução do plano nacional de fronteiras até a discussão de novas medidas no Congresso Nacional. Segundo dados divulgados pela campanha, a atividade criminosa gerou perdas da ordem de R$ 130 bilhões ao País em 2016.
A maior parte do contrabando que entra no País é de tabaco: o movimento calcula que mais de 65% das mercadorias que entram ilegalmente no país são cigarros. Em 2016, foram 31,5 bilhões de unidades. A Associação Brasileira de Combate à Falsificação calcula que mais de 55% dos pontos de venda formais comercializam cigarros ilegais e que 72% deles vendem produtos abaixo do preço mínimo estabelecido pela lei.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia