Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de março de 2017. Atualizado às 00h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 30/03/2017. Alterada em 29/03 às 20h47min

Juro do cartão cai pela 1ª vez em cinco meses

Custo médio do parcelado passou de 161,9% para 163,5% a.a.

Custo médio do parcelado passou de 161,9% para 163,5% a.a.


MARCO QUINTANA/JC
A decisão do Banco Central (BC) de modificar as regras dos cartões de crédito e proibir que alguém fique mais que 30 dias no rotativo começou a surtir os primeiros efeitos: os juros da modalidade caiu pela primeira vez desde outubro mas, o crédito parcelado - apresentado pelo governo como opção para fugir dos juros altos do rotativo - fica cada vez mais caro. A taxa é a maior desde quando o BC passou a registrar os dados há seis anos.
Segundo os dados divulgados pela autoridade monetária ontem, o custo médio do crédito parcelado passou de 161,9% ao ano para 163,5% ao ano (a.a.). É o maior patamar da série histórica. Enquanto isso, a média das taxas cobradas pelas instituições financeiras no crédito rotativo caiu de 486,7% ao ano para 481,5% ao ano em fevereiro.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia