Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de março de 2017. Atualizado às 01h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 29/03/2017. Alterada em 29/03 às 01h19min

Governo quer acabar com a desoneração da folha

Segmento de tecnologia da informação pode perder os incentivos

Segmento de tecnologia da informação pode perder os incentivos


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/
O governo quer acabar com o benefício da desoneração da folha para todos os setores, informou um integrante da equipe econômica. A estratégia é mostrar que não se trata de uma medida de alta de tributos, mas de retirada de incentivos que não se sustentam nesse momento. A Receita Federal calcula que a renúncia fiscal com a desoneração da folha seja de
R$ 8,06 bilhões a partir de julho. Se o governo suspender a desoneração até março, este seria o prazo para a medida entrar em vigor, já que o aumento dos tributos tem de respeitar um período de 90 dias.
Hoje, 54 setores são beneficiados com a medida, entre eles tecnologia da informação, hoteleiro, construção civil, call center e transportes. Se a reoneração atingir todos, cerca de R$ 8 bilhões seriam arrecadados até dezembro. Em todo o ano, a renúncia com a desoneração da folha de pagamentos custará aos cofres públicos
R$ 14,63 bilhões. De abril a dezembro, o custo é de R$ 11,14 bilhões.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia