Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de março de 2017. Atualizado às 01h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Fraude

Notícia da edição impressa de 29/03/2017. Alterada em 28/03 às 21h16min

Países com restrição total à carne não somam 2% dos embarques em 2016

Setor de bovinos foi um dos mais afetados pelas restrições ao Brasil

Setor de bovinos foi um dos mais afetados pelas restrições ao Brasil


JAYNE RUSSELL/AFP/JC
Após o anúncio de ontem de que Hong Kong, o terceiro maior comprador de carne brasileira, atrás apenas de União Europeia (UE) e China, retomará as compras de proteína animal brasileira, o setor exportador de carne bovina pode respirar aliviado. Embora a maior parte das unidades frigoríficas investigadas na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, trabalhe com carne de frango, o setor de bovinos foi um dos mais afetados com as restrições ao produto brasileiro.
Os países que ainda mantêm o veto total às carnes brasileiras - incluindo suína e de frango -, que são 13 (Argélia, Jamaica, Trinidad e Tobago, Panamá, Catar, México, Bahamas, São Vicente e Granadinas, Granada, São Cristóvão e Nevis, Marrocos, Zimbábue e Santa Lúcia), não alcançam 2% do faturamento e 2% dos embarques de carne bovina brasileira. Ou seja, mesmo que mantenham o veto, devem influenciar pouco o volume e faturamento dos embarques.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia